40 anos de muito amor à profissão

Neste Dia do Engenheiro Agrônomo, 12 de outubro, conheça as inspiradoras histórias da pesquisadora Mariangela Hungria e do engenheiro-agrônomo Alcino Ladeira Neto.

 

Você sabia que, há 85 anos, o dia 12 de outubro é dedicado também à comemoração da profissão de engenheiro-agrônomo? A data foi oficializada para dar a devida importância aos profissionais que contribuem para o desenvolvimento da vida no planeta e o crescimento de um dos principais pilares econômicos de nosso país.

E, neste Dia do Engenheiro Agrônomo, escolhemos dois especialistas, com uma longa e produtiva carreira, para nos ajudar a homenagear todos os profissionais dessa especialidade. Ambos têm histórias inspiradoras, não apenas pela sua relevante atuação no segmento, mas porque são exemplos para qualquer pessoa. Olhe só! 

Mariangela Hungria

Pesquisadora e engenheira-agrônoma com quase 40 anos de experiência. Nascida em São Paulo, é apaixonada pelo que faz e a prova disso são os diversos estudos e pesquisas que realiza para aprimorar a agropecuária brasileira. “Eu era uma pessoa totalmente urbana, cresci cercada de concreto na capital paulista. Porém, sempre tive o desejo de ser uma profissional que se dedicasse ao meio ambiente, à natureza e ao ser vivo.”

Agronomia era um curso que me permitiria ter muitas oportunidades e realmente eu pude aproveitá-las”, conta Mariangela.

A profissional tem muito orgulho de pertencer ao grupo de engenheiros brasileiros. Ela já ganhou diversos prêmios, entre eles o Prêmio Cláudia, em 2015, na categoria Ciência, por sua contribuição científica em fixação biológica do nitrogênio – uma tecnologia sustentável que faz com que a cultura da soja tenha uma economia estimada em 13 bilhões de dólares por ano no Brasil. “Essa é uma pesquisa que me enche de orgulho. Foi um privilégio ter entrado neste caminho do uso de microrganismo na agricultura. Para mim, isso vai muito além da economia”, diz. O que mais a impressionou nessa premiação foi saber que a votação aconteceu pela internet – isso mostra, na opinião da engenheira, que pessoas comuns entenderam a importância do projeto.

Alcino Ladeira Neto

Engenheiro-agrônomo e zootecnista com mais de 40 anos de profissão, marcados por uma trajetória de dedicação e paixão pelo que faz. Nascido em Jundiaí, interior de São Paulo, Alcino nunca imaginou trabalhar no estado onde nasceu e muito menos com produtos químicos.

Quatro meses depois de se formar, passou por um processo seletivo e começou a trabalhar na montagem do antigo Centro de Pesquisa e Desenvolvimento da então Dow Química, em Franco Rocha, em maio de 1976. Desde então, não parou mais de desenvolver produtos e se dedicar ao controle de plantas daninhas em áreas de pastagem pelo Brasil.

Um dos resultados do amor ao trabalho realizado durante toda a sua carreira na Corteva Agriscience™ é ter participado do desenvolvimento da inédita Tecnologia XT, lançada recentemente pela companhia. Aliás, Alcino sempre esteve à frente do processo de pesquisa e desenvolvimento de produtos revolucionários. Cerca de 90% do portfólio de pastagem da empresa passou pelas suas mãos.

Hoje, o profissional atua como pesquisador de campo e exerce a função de Pastures Senior Scientist na nova área criada pela empresa: Agronomia da Região Centro-Norte. “Ao longo desses anos, sempre procurei fazer o meu trabalho com criatividade, inovação e iniciativa, estudando e pesquisando as necessidades do mercado para trazer soluções e ferramentas com o objetivo de ajudar a pecuária brasileira a aumentar sua produtividade”, afirma.

Registramos com alegria os nossos parabéns para a Mariangela e para o Alcino pela dedicação e trajetória de enorme sucesso. E também a todos os engenheiros-agrônomos do Brasil e do mundo!

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*