“Compre ao som dos canhões”

As maiores oportunidades de mercado ocorrem nos momentos mais desanimadores.

“Compre ao som dos canhões, venda ao som dos trompetes (Buy on the sound of cannons, sell on the sound of trumpets).” Essa frase é atribuída ao financista londrino Nathan Rothschild, mas temos outros exemplos mais atuais do mesmo raciocínio. O megainvestidor Warren Buffett disse a seguinte frase “Não importa se estamos falando de meias ou ações, gosto de comprar boas mercadorias quando estão em liquidação”.

 

Comprar na baixa e vender na alta, não há nada de novo, mas muitas vezes os mercados agropecuários, com foco aqui na bovinocultura, não percebem e acabam fazendo o oposto.

Arroba barata é para se comprar, não vender

Em um sistema, o produtor não deve focar sua estratégia tentando acertar o mercado a todo o momento, mas sim em melhorar a produção, usando da melhor maneira possível os recursos que possui, com destaque para a terra, que em geral é o maior ativo imobilizado na pecuária.

Grandes movimentos do ciclo pecuário podem (e devem) ser usados para aproveitar a valorização do estoque de arrobas na fazenda. Com isso, ganha-se além da produção e também com as variações de preços da arroba no mercado, considerando as fases de alta e baixa do ciclo pecuário.

Em momentos de abates de fêmeas em alta, como o atual, tipicamente as cotações estão em baixa, tanto para bezerros como para categorias mais eradas.

O envio de vacas e novilhas para o gancho é um reflexo dos preços em baixa e também uma de suas causas. Em momentos nos quais a receita está mais apertada devido aos preços em queda, o criador envia mais fêmeas para abate, para fechar as contas e porque a atividade não está atrativa, o que aumenta a oferta de carne e intensifica os recuos.

É justamente nesses momentos que se alicerçam as valorizações dos anos seguintes. As fêmeas abatidas a mais reduzirão a produção de bezerros e, depois, de animais terminados. Com isso, em momentos de baixa, temos oportunidades para aumentar o estoque de arrobas da fazenda.

A figura 1 mostra a relação entre o preço de venda do boi gordo e a arroba paga do bezerro 24 meses antes, além da variação anual dos abates de fêmeas.

Figura 1
Variações anuais dos abates de fêmeas (frente ao mesmo mês do ano anterior) e ágio da venda do boi gordo, frente ao bezerro. *

Perceba que após momentos de abates de fêmeas (barras) em alta, a linha que ilustra o ágio tende a aumentar, assim como o oposto também é observado.

Ou seja, em fases de descarte – “ao som dos canhões” – é hora de aumentar o estoque de arrobas da fazenda, usando as tecnologias que subsidiam essa estratégia, como as de suplementação e pastagem.

Para aproveitar esses momentos do mercado, a fazenda precisa ter caixa, que é obtido com resultados consistentes ao longo dos anos, vindos da eficiência produtiva.

Autor: Hyberville Neto – Médico Veterinário, msc.

 

 

Clique e leia a matéria completa

Tags

Compartilhe nas suas Redes Sociais:

Cadastre-se e tenha acesso a conteúdos exclusivos e personalizados

Cadastro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*