O que o contrato futuro de maio aponta para a arroba do boi gordo?

O contrato futuro com vencimento em maio é característico por marcar a “desova de boiadas de safra” e sua cotação é um indicador do que pode acontecer com a arroba do boi gordo ao final da safra de capim.

As cotações dos contratos futuros da arroba do boi gordo apontam as tendências do mercado e auxiliam o pecuarista na decisão de vender ou não. Logo, acompanhar a evolução desse contrato é fundamental para o planejamento estratégico da propriedade e para a “trava” de preços de venda da boiada.

Entre todos os contratos futuros negociados na B3 (antiga BM&F), os de maio e outubro são os mais demandados e, portanto, com maior liquidez. Isso porque o primeiro marca o fim do período da safra de capim (maio) e o outro o fim da entressafra, ou seja, período com grande concentração de vendas dos bovinos confinados.

Este artigo abordará as tendências para a precificação da arroba do boi gordo, de acordo com as cotações projetadas para o contrato futuro com vencimento em maio.

Contrato futuro de maio

Embora não seja uma regra, normalmente em maio há maior concentração de venda de boiadas, a chamada desova de safra. É nessa época que a seca começa a se intensificar, diminuindo a qualidade e a capacidade de suporte das pastagens, o que aumenta a pressão de venda.

A partir desse período, o custo para manter a boiada engordando aumenta, pois é preciso repor os nutrientes das forragens, intensificando a suplementação dos animais no sistema. Isso faz com que muitos pecuaristas mandem a boiada para o abate, incrementando a oferta no mercado.

Com mais oferta disponível para as indústrias, naturalmente há uma tendência de pressão de baixa e, consequentemente, queda nas cotações da arroba do boi gordo.

Diante disso, em praticamente todos os anos, em janeiro, as cotações projetadas para os contratos futuros com vencimento em maio são menores do que as vigentes no mercado físico.

Figura 1
Variação das cotações projetadas nos contratos futuros com vencimento em maio, frente às cotações vigentes no mercado físico em janeiro do mesmo ano, em São Paulo.

Figura 1 - Variação das cotações projetadas nos contratos futuros com vencimento em maio

Fonte: Scot Consultoria

Em 2019, por exemplo, a diferença entre a cotação da arroba do boi gordo no mercado físico em janeiro e a arroba projetada para maio está mais baixa que a registrada nos últimos dois anos.

Oportunidades

Estamos no período da safra de capim, no qual as pastagens atingem seu pico de qualidade. Com isso, o custo para a engorda dos bovinos é menor comparativamente ao período seco do ano, e a oferta de animais para abate tende a ser maior.

Considerando essa maior disponibilidade de boiadas daqui para a frente (safra), a expectativa é de que a pressão de baixa sobre os valores da arroba do boi gordo ganhe força no mercado interno e esse movimento deverá refletir nos preços dos contratos futuros com vencimento em maio/19.

Dessa forma, o contrato futuro de maio/19, cotado próximo do patamar de janeiro, poderá trazer oportunidades para o pecuarista, desde que o mercado siga a trajetória de diminuição nos preços.

Considerando esse cenário, a recomendação é adquirir contratos de venda para o mês em questão, acreditando em queda nos preços nos próximos meses. O pecuarista receberá da Bolsa a diferença no ajuste diário, caso os preços caiam.

E para quem tem dúvidas quanto à precificação projetada para a arroba em maio e acredita que ela possa atingir um valor maior (cenário contrário), a utilização das ferramentas do mercado futuro também é indicada.

Nesse caso, comprando uma opção de venda (put), o pecuarista garante um preço mínimo para a arroba e, se no vencimento do contrato a arroba estiver acima do que a comprada na opção, não exerce seu direito de venda da opção e vende pelo preço praticado no mercado físico.

Ou seja, além de garantir o aproveitamento da pastagem para a engorda, utilizando as ferramentas do mercado futuro, o pecuarista estará protegido contra uma possível queda da arroba em maio, quando for negociar a boiada.

Recentemente, publicamos um artigo sobre o funcionamento das ferramentas de proteção de preços do mercado futuro disponíveis para o pecuarista. Para saber mais, clique aqui.

Autor: Breno de Lima – Zootecnista.

 

 

 

Clique e leia a matéria completa

Tags

Compartilhe nas suas Redes Sociais:

Cadastre-se e tenha acesso a conteúdos exclusivos e personalizados

Cadastro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*