Drones na fazenda

Como a tecnologia pode ajudar o seu trabalho no campo

Utilizar aviões para monitorar fazendas já esteve entre as grandes tendências tecnológicas utilizadas no campo. Atualmente, graças aos drones, todo este trabalho pode ser feito de uma maneira muito mais barata, prática e otimizada. Versáteis, essas ferramentas automatizam as atividades no campo e são a prova de que a tecnologia está cada vez mais presente no cotidiano das pessoas e empresas.

Quer saber como os drones podem ser úteis no mapeamento de áreas agrícolas? Confira a nossa seleção de dicas!

 

Cuidado com o gado

As imagens aéreas podem otimizar o seu tempo na hora de contar a boiada, já que o drone dispensa a necessidade de deslocamento de um funcionário da fazenda até o rebanho. Outra função bem importante é na hora de tocar a boiada. O drone ajuda a ordenar os animais e observar os que possam ter fugido.

 

Descoberta de novos locais

Os drones oferecem uma visualização privilegiada de locais de difícil acesso e, por isso, garantem a oportunidade de descobrir novos lugares nem sempre trafegados pelo time da fazenda.

 

Segurança

Vigiar as divisas da sua propriedade rural também pode ser função do drone. Além da identificação de possíveis pontos de incêndio, ajudando a controlá-los.


Tecnologia na Corteva AgriscienceTM

A Corteva AgriscienceTM também reconhece a importância da tecnologia digital para o agronegócio e, por isso, adquiriu recentemente uma startup de software de gestão de fazendas por US$ 300 milhões: a Granular. O objetivo da empresa, baseada no Vale do Silício, é ajudar o produtor a obter informações em tempo real sobre a produtividade da lavoura, buscando aumentar a rentabilidade do negócio. Para a pastagem, por exemplo, está sendo desenvolvido um piloto que, em breve, seguirá para outros países.

Com foco no desenvolvimento de soluções inovadoras, a Corteva AgriscienceTM pretende ajudar os produtores a construírem negócios fortes e sustentáveis. Segundo Bruno de Paula, gerente de marketing de campo da Corteva, da região centro-norte, o trabalho tem sido de levantamento de infestação de plantas daninhas via satélite. “Isso é fantástico, considerando que hoje todo levantamento é feito pessoalmente, piquete a piquete”, comemora ele. “Esperamos em breve poder disponibilizar essas ferramentas aos nossos parceiros pecuaristas, para que possam tomar as decisões de forma mais rápida e precisa, diminuindo assim seus gastos e aumentando a produtividade”, conclui.

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*