Equipamentos de Proteção Individual: por que e como usar?

Na aplicação de herbicidas, a segurança vem em primeiro lugar. Entenda os motivos dos EPIs serem obrigatórios e como usá-los corretamente.

Equipamentos de Proteção Individual

A proteção da saúde do trabalhador é o principal motivo da obrigatoriedade do uso de equipamentos de proteção individual na aplicação de herbicidas. Isso porque durante a aplicação dos produtos, o trabalhador corre riscos de intoxicação.

Para garantir a eficácia do uso dos equipamentos e assegurar um processo mais seguro, é necessário ficar atento para alguns detalhes, como por exemplo, a ordem em que os equipamentos devem ser vestidos. Confira a sequência recomendada:

  1. Vestir a calça, com o cordão para dentro.
  2. Colocar o jaleco de forma que fique por cima da calça.
  3. Calçar as botas impermeáveis. Usar meias de algodão. Atentar para que a calça fique por fora da bota.
  4. Vestir o avental: para frente, quando for preparada a solução. Nas costas, quando for usado o equipamento costal.
  5. Colocar o respirador.
  6. Colocar a viseira: atentar para que não fique tão próxima do nariz a ponto de embaçar a visão.
  7. Colocar boné sobre a viseira.
  8. Vestir as luvas: o punho das luvas deve ficar por cima das mangas quando a aplicação for direcionada para o alto; e dentro das mangas, quando a aplicação for para baixo. Essa sequência é bem importante e não pode ser ignorada.

O momento de retirada dos EPIs também precisa de atenção. Assim que a aplicação estiver finalizada, os equipamentos devem ser removidos. Antes disso, é importante lavar as luvas e botas, ainda vestidas, com água corrente e sabão preferencialmente neutro. Depois, é só seguir a mesma ordem na hora de retirar os equipamentos:

  1. Boné.
  2. Viseira ou óculos.
  3. Avental.
  4. Jaleco: atentar para que não vire do avesso.
  5. Botas.
  6. Calça: atentar para que não vire do avesso.
  7. Luvas: puxar dedo por dedo para evitar o contato com a pele.
  8. Respirador.

Depois de fazer a aplicação do herbicida e retirar os EPIs, o trabalhador deve tomar um banho e vestir roupas limpas para evitar qualquer risco de contaminação. Além disso, outro detalhe que requer atenção é o momento da higienização dos equipamentos de segurança. O ideal é que a limpeza seja feita por profissionais treinados para esta função. Assim, previne-se o risco de contaminação de poços, rios e córregos com os produtos utilizados.

Os EPIs devem ser lavados de forma que não entrem em contato com outras roupas. Por isso, devem ser higienizados em tanques ou máquinas usadas especificamente para essa função. A lavanderia deve ser um local coberto, com ventilação, e localizada em uma distância de no mínimo 30 metros do local onde é feita a aplicação dos agrotóxicos. O local deve sinalizar de forma clara a presença de produtos tóxicos.

Cada equipamento tem a própria indicação de como deve ser lavado, e assim, é importante ficar atento às determinações presentes nas etiquetas de cada fabricante. Independente do equipamento, no momento da lavagem, é necessário usar luvas impermeáveis e aventais. Durante a lavagem, devem ser evitados detergentes com enzimas alvejantes ou branqueadores, considerando que podem retirar o tratamento hidrorrepelente presente nas vestimentas. Por isso, também é importante não esfregar os EPIs, nem deixá-los de molho. No processo, é necessário utilizar água corrente e sabão neutro, em barra ou em pó para diluir e remover qualquer resíduo. O enxágue em abundância com água é imprescindível para a remoção da calda de pulverização e também do sabão. Os EPIs devem ser secos à sombra.

Dica final

Para garantir que os equipamentos estão sendo bem utilizados, revise com frequência as orientações do fabricante. Quando não estiverem mais cumprindo a função desejada, os EPIs devem ser devidamente descartados.

Os equipamentos podem durar até 30 lavagens, quando utilizados de acordo com as devidas recomendações. Para ter certeza de que o EPI está cumprindo sua função, faça um teste com alguma substância líquida na superfície do equipamento. Quando o líquido não é absorvido pelo equipamento, significa que ainda está oferecendo uma boa proteção. Se for absorvido, deve ser descartado e substituído.

É importante que os EPIs sejam higienizados antes do descarte, para evitar que contaminem outros ambientes com resíduos de agrotóxico. No caso de equipamentos de algodão hidrorrepelente, o descarte é comum.

Outros equipamentos devem ser incinerados em locais profissionais destinados para esta função. Cada fabricante aponta no equipamento o local ideal para descarte, por isso, é importante ficar atento para as recomendações de cada um.

Legislação brasileira

No Brasil, o uso de EPIs é obrigatório pela legislação trabalhista. De acordo com a lei, a empresa é obrigada a fornecer aos empregados o equipamento adequado para evitar qualquer risco. Ao empregador cabe a responsabilidade de exigir o EPI e fazer o uso correto dele. Além disso, todos os equipamentos de segurança devem ter o Certificado de Aprovação (CA) do Ministério do Trabalho e Emprego.

O CA estabelece o prazo de validade do produto e autoriza o fabricante a comercializar o produto no Brasil. É possível fazer uma consulta gratuita do CA do seu EPI no site: http://caepi.mte.gov.br. Basta inserir o número do CA, o tipo de equipamento, o fabricante e o tipo de proteção. Todas essas informações devem estar indicadas de forma clara nos equipamentos.

Clique e leia a matéria completa

Tags

Compartilhe nas suas Redes Sociais:

Cadastre-se e tenha acesso a conteúdos exclusivos e personalizados

Cadastro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*