Saiba onde e qual espécie pescar em água doce no Brasil

Confira a nossa seleção de locais e peixes indicados para a pesca na imensidão de água doce existente no país

pescar em água docePeixe com quase meia tonelada ou tamanho de uma pessoa adulta, espécie rara pescada mais de uma vez ou dois peixes de uma vez só. Você já ouviu alguma história de pescador, não é? Afinal, a pesca é uma atividade muito comum, passada de geração em geração. Se ela está entre as suas atividades, anote estas dicas de onde e quais espécies de peixes você pode encontrar pelo Brasil. A época mais adequada para pesca em água doce, por exemplo, já começou. E vai até outubro. Então, aproveite!

Onde pescar

• Pantanal Mato-grossense 
As centenas de rios e afluentes na região apresentam mais de 260 espécies de peixes, como pacu, piraputanga, piau, pacu, jaú e pintado, além do famoso dourado. Há também a pesca de piranha, que pode ser feita por iniciantes com o trio de equipamentos básico: vara, linha e anzol.

Poconé e Cáceres, no Mato Grosso, ou Corumbá e Porto Murtinho, no Mato Grosso do Sul, estão entre as cidades mais populares para a pesca.

Corumbá – ponto turístico perfeito para a pesca às margens do Rio Paraguai. Dourado e pintado são algumas das espécies encontradas.

Bonito – Rio Miranda: por ali, a pesca esportiva é permitida e é possível encontrar diversos tipos de peixes. Atenção: nos rios Formoso e Prata, a pesca é proibida.

Rio Paraguai – barbado, jaú, piraputanga e pintado são as espécies típicas mais encontradas.

• Rio São Francisco
No rio, cujo curso vai de Minas Gerais até Alagoas, mais de 150 espécies de peixes nativos já foram identificadas, como pacu, dourado, surubim, traíra e piranha.

• Rio Uruguai Pantanal 
Esse rio banha os estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina e é habitat para dourados, piavas, piracanjuvas e corimbas.

• Rio Araguaia
Com cerca de 2,6 mil quilômetros de extensão, o rio banha os estados de Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará e Tocantins. Nele, podem ser encontradas as espécies apapá, palmito, pirarara, piraíba, tucunaré-azul, cachara, surubim-chicote, pirarucu, pintado, aruanã, apapá, cachorra, matrinxã e bicuda.

Importante: a pesca predatória é totalmente proibida no Rio Araguaia. Todos os peixes devem ser devolvidos após capturados.

• Amazônia 
Podem ser encontradas mais de 3 mil espécies de peixes na região. Tucunaré-açu (que pode ultrapassar 12 quilos), traíra, matrinchã, cachorra, apapá, atuanã, bicuda e piranha-preta, na parte Norte. Na direção inversa, encontram-se piraíbas e pirararas (no Rio Teles Pires), pacus, jatuaranas, trairões e as famosas pirapitingas (nos rios Aripuanã, Tapajós e Suia-Miçu). Nos rios Amazonas, Negro, Solimões e seus afluentes, encontram-se tucunarés, traíras, aruanãs e pirarucus.

O que pescar – sete peixes de água doce para a pesca esportiva

1. Pintado – pode ser encontrado em lagos, praias e rios. Apresenta padrão arredondado/ovalado de manchas, nadadeiras com espinhos, couro e grande porte. Pode chegar a 1 m de comprimento. Com hábitos carnívoros e forte mandíbula, alimenta-se principalmente de peixes.

2. Dourado – encontrado nas bacias do Rio São Francisco, na Região Nordeste do país, e no estado do Paraná, pode ser pescado o ano todo, especialmente em locais de águas rápidas, confluência de rios e pedrais. Canibal e agressivo, alimenta-se de moluscos e crustáceos quando jovem e pode chegar a até 1,5 m. Na fase adulta, consome peixes inteiros.

3. Tucunaré – tem diversas espécies, como tucunaré-amarelo e tucunaré-açu, e seu habitat depende de cada uma delas. Todas apresentam mandíbula protuberante, cabeça avantajada e mancha na cauda. Extremamente predador, alimenta-se de outros peixes e insetos aquáticos.

4. Pirarara – encontrada na Região Norte do país, nas bacias do Araguaia-Tocantins e Amazônica, em canais de rio ou poços, durante o dia ou à noite. Pode chegar a até 1,4 m e peso superior a 50 kg. Alimenta-se de outros peixes, sementes e frutas.

5. Pirarucu – encontrado na Região Norte do país, em lagos, durante o dia ou à noite. Pode chegar a pesar mais de 200 kg e ter 2,5 m de comprimento. Alimenta-se de outros peixes, sementes e frutas. Com a bexiga natatória, consegue retirar oxigênio do ar.

6. Bicuda – com corpo alongado e comprimido, é capaz de superar 1 m de comprimento e ultrapassar 5 kg. Apresenta boca pontuda e grande, cartilagem dura e perfil ágil e habilidoso para saltar fora d’água quando se alimenta. Encontrada nas bacias Amazônica e Araguaia-Tocantins, em áreas de correnteza ao longo da beira e na boca dos igarapés, rios e lagos.

7. Saicanga – bastante agressiva e valente, é encontrada em represas d’água, lagoas e próxima a pedras e pedreiras. Com porte médio, atinge cerca de 20 cm de comprimento e peso de 500 g. Tem o corpo comprimido e alongado, coberto por escamas prateadas e brilhantes. Como característica marcante, estão os dentes afiados fora da mandíbula, usados para arrancar pedaços de outros peixes.

Regras obrigatórias para a pesca esportiva:

• Respeite as cotas de captura e transporte

• Respeite os tamanhos mínimos de captura

• Não pesque em áreas proibidas

• Solte as espécies proibidas

Agora é só pegar seus equipamentos, tirar um dia para pescar e contar com a sorte. Boa pescaria!

LEIA TAMBÉM: Já experimentou carne de varal?

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*