Planejando as compras de adubos para as pastagens

Para o pecuarista, a sugestão é aguardar o fim do ano para a compra do adubo para as pastagens. Nesse período, podem aparecer promoções de preços em função dos estoques de passagem e da menor demanda.

 

A expectativa da Scot Consultoria é de um volume total entre 34,5 e 35 milhões de toneladas de adubos importados pelo Brasil em 2018, frente ao recorde registrado no ano passado, cujo volume foi de 34,44 milhões de toneladas

Figura 1
Entrega de adubos ao consumidor final no Brasil, em milhões de toneladas.

Expectativa

Essa maior movimentação no mercado interno, somada às valorizações do dólar em relação à moeda brasileira, é fator de sustentação dos preços dos fertilizantes até outubro/novembro.

Segundo levantamento da Scot Consultoria, o preço da ureia agrícola subiu 13,3% desde janeiro deste ano no estado de São Paulo e está custando 20,6% a mais na comparação com agosto de 2017.

Para o cloreto de potássio e o MAP, as altas foram de 23,0% e 19,4%, respectivamente, na comparação ano a ano (figura 2).

Figura 2
Evolução dos preços médios de fertilizantes em São Paulo, sem o frete, em R$ por tonelada.

É preciso considerar também a queda da produção nacional neste ano, o que aumenta a necessidade de importação para atender à demanda interna.

No caso dos fertilizantes potássicos, as importações representam mais de 90% do volume consumido no país. Enquanto as importações de nitrogenados e fosfatados variam entre 50% e 60% da demanda nacional.

A produção brasileira diminuiu 7% nos primeiros sete meses deste ano, em relação a igual período do ano passado (ANDA).

Além disso, o cenário de preços firmes no mercado internacional (oferta ajustada), a alta da cotação do petróleo e as especulações acerca da continuidade da produção de fertilizantes nitrogenados nas fábricas da Petrobras na Bahia e em Sergipe são fatores que “ajudam” na sustentação das cotações no mercado brasileiro.

Planejamento e estratégia de compra

Para o consumidor final, produtor de grãos ou pecuarista, a sugestão é monitorar o mercado e, sempre que possível e viável, antecipar as compras do insumo, buscando “fugir” desse cenário de maior movimentação decorrente da demanda para o plantio da safra de grãos, que é a balizadora do mercado de fertilizantes.

No caso das pastagens, os números da ANDA apontam para um consumo de 500 mil toneladas de fertilizantes. A declaração para uso do adubo em pastagens é muito baixa, sendo que normalmente os volumes destinados a essa finalidade acabam classificados como outra cultura.

No caso do pecuarista, que aduba as pastagens a partir de novembro/dezembro, quando as chuvas estão regulares e em maiores volumes, caso não seja possível antecipar as compras para meados do primeiro semestre, a sugestão é esperar o fim de ano ou a virada do ano e a queda na movimentação no mercado interno (menor demanda para a safra de grãos) para negociar.

Historicamente, em função dos estoques de passagem, as empresas misturadoras e/ou que comercializam fertilizantes fazem promoções, o que normalmente baixa as cotações na passagem de ano.

Para exemplificar, no final de 2017, os estoques de passagem somaram 5,53 milhões de toneladas, o equivalente a 16,1% do volume de adubo entregue no país (ANDA).

Para o pecuarista, pode ser uma oportunidade de compra a preços menores e redução dos custos de reforma ou formação das pastagens.

Autor: Rafael Ribeiro de Lima Filho – Zootecnista, msc.
 
 
Clique e leia a matéria completa

Tags

Compartilhe nas suas Redes Sociais:

Cadastre-se e tenha acesso a conteúdos exclusivos e personalizados

Cadastro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*