Projeto de startup paranaense visa bem-estar animal de vacas leiteiras

Melhora na gestão e aumento na produção de leite são alguns dos benefícios do sistema criado para garantir o bem-estar animal nas fazendas leiteiras.

Startup Agroconforto

Melhorar a produção é o objetivo de todos os produtores de leite. Se for possível alcançar essa meta promovendo o bem-estar animal das vacas leiteiras, melhor ainda. E foi isso que a Agroconforto, de Castro, no Paraná, conseguiu. A startup surgiu em 2017, durante o Hackaton Agroleite, maratona promovida pela Castrolanda para criar soluções digitais para o agronegócio. Durante o desafio, a equipe desenvolveu um sistema de monitoramento do ambiente que gera dados sobre as condições do local onde as vacas ficam confinadas, como temperatura, vento, luz e umidade.

Startup Agroconforto

Informações captadas ajudam produtores de leite a ter melhor gestão do negócio.

De acordo com o engenheiro químico Lucas Carneiro Thomaz, um dos fundadores da Agroconforto, o objetivo era criar uma solução voltada para a gestão por meio de dados com preço acessível. “Hoje, existem soluções que fazem isso em parte ou nem conseguem fazer e são muito caras. Nós conseguimos uma infraestrutura com sensores e servidores baratos e muitos deles nem precisam de acesso à internet. E funcionar offline também é um diferencial”, ressalta.

Startup Agroconforto

Sensores captam informações do ambiente e sistema transforma em dados que podem ser usados para melhorar o bem-estar animal de vacas leiteiras e a produtividade.

Leia também: Internet das coisas e agropecuária andam juntas

Durante o período de testes do projeto, o sistema foi implantado em duas propriedades. Na época, cada sensor teve um custo médio de R$ 200,00, e o ponto de servidor custou cerca de R$ 500,00. “Cada sensor tem capacidade para atender 50 animais e o servidor consegue englobar até 10 conjuntos de sensores. Então, você consegue pegar vários barracões. Por isso, é uma tecnologia relativamente barata”, observa.

Startup Agroconforto

Sensor utilizado pela Agroconforto tem capacidade para atender até 50 animais.

Startup Agroconforto

Servidor tem capacidade para englobar até 10 sensores.

Análise de dados para promover o bem-estar animal

No projeto, o servidor é instalado na fazenda e os sensores captam os dados do ambiente. O próprio sistema faz as correlações de índice de eficiência de produção e cruza com os dados que o produtor tem no aplicativo. Dessa forma, é possível entender quais são as condições ideais para aquele rebanho específico. A partir disso, são geradas automações, como abertura e fechamento de cortinas, refrigeração de janela ou ventiladores e outros sistemas que podem ser controlados com automação. O resultado é mais bem-estar para as vacas leiteiras, o que reflete no aumento da produtividade.

Leia também: Vaca conectada aumenta a produção de leite na China

“Para o produtor, também traz o benefício de ter uma gestão melhor por meio dos dados. Se em algum momento específico a produção aumentou, ele pode conferir as análises e ver o que estava diferente. Ou seja, não é só monitorar e gerar dados, o que por si só já tem um grande valor agregado, mas também produzir insights sobre boas práticas que podem ser implementadas”, esclarece.

Startup Agroconforto

Foto do aplicativo do sistema criado pela Agroconforto.

Para Thomaz, a análise em tempo real e a geração de insights são as principais inovações que a startup trouxe para o agronegócio. Atualmente, os produtores têm dificuldade na hora de tomar decisões, pois não conseguem se basear em informações concretas, mas no “eu acho que é”. Com um banco de dados robusto, é possível conferir o que aconteceu em determinado momento e entender a razão pela qual houve um aumento ou uma queda na produção, por exemplo.

Leia também: Pecuária de precisão: melhore o manejo e aumente a produtividade

A ideia da Agroconforto foi sucesso no Hackaton Agroleite e também em eventos como o Ideas for Milk, da Embrapa Gado e Leite, o Conecta, do Sebrae, e outros realizados por universidades. O projeto gerou interesse em investidores, porém, o tamanho da equipe foi um obstáculo para o fechamento de parcerias. “Nós ganhamos o prêmio do Hackaton Agroleite, de R$ 5 mil, e convertemos tudo em infraestrutura. Mas não conseguimos parcerias, pois os avaliadores entenderam que a ideia é boa, o projeto é muito bom. Até pelo perfil da equipe, composta por engenheiro químico, eletrônico, veterinário e cientista da computação, conseguimos desenvolver algo bastante avançado no tempo que tivemos. Temos know-how para executar, mas tivemos que pausar por enquanto”, acrescenta.

Leia também: Técnicas de bem-estar animal da americana Dra. Temple Grandin 

Saiba mais sobre o Hackaton Agroleite: inovações para o agronegócio que vão além do bem-estar animal

O Hackaton pode ser definido como uma maratona de programação com o objetivo de desenvolver soluções específicas com o uso de tecnologia. O Hackaton Agroleite faz parte da Semana da Inovação, que acontece durante o Agroleite, vitrine da tecnologia do leite no Brasil, promovida pela Castrolanda. Este ano, o evento aconteceu entre os dias 13 e 16 de agosto. Além do Hackaton, que traz inovações para o agronegócio como um todo, a Semana da Inovação teve diversas outras atividades, como palestras, batalha de pitches, aproximação de startups com investidores, empresas e ecossistemas de inovação. Saiba mais no site: https://www.agroleitecastrolanda.com.br.

 

Você gostaria de ter um sistema como o criado pela Agroconforto em sua propriedade para aumentar a produção de leite e melhorar o bem-estar das vacas? Conte pra gente nos comentários!

Clique e leia a matéria completa

Tags

Compartilhe nas suas Redes Sociais:

Cadastre-se e tenha acesso a conteúdos exclusivos e personalizados

Cadastro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*