A reta final do ano costuma ser boa para o mercado do boi gordo

Os últimos trimestres costumam ser de melhoria do escoamento de carne bovina e bons volumes exportados.

Estamos entrando no último trimestre do ano, período de melhor escoamento da produção no mercado doméstico. Nesta análise, apresentaremos dados que subsidiam a expectativa de melhora no cenário de vendas de carne bovina nos próximos meses.

Um dos pontos que colaboram com o consumo de carne bovina no final do ano é o emprego.

Estamos vivendo uma situação de desemprego alto em decorrência da pandemia, mas isso não elimina o efeito de uma melhoria desse indicador na reta final do ano.

No último trimestre, aumenta a demanda de diversos setores, influenciada pelo acréscimo de renda da população, com uma boa ajuda dos décimos terceiros salários. No período de final de ano, há também as contratações temporárias, com destaque para o varejo, o que retroalimenta esse momento de maior fluxo de dinheiro na “praça”.

Veja, na figura 1, a variação da taxa de desocupação no trimestre encerrado em setembro e no trimestre até dezembro, segundo a PNAD contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), desde o início da série.   

Figura 1.
Variação da taxa de desocupação entre o trimestre terminado em setembro e o trimestre que vai até dezembro, segundo a PNAD contínua, em pontos percentuais.

Fonte: IBGE / Elaboração: Scot Consultoria

Na média, desde o início da série do IBGE, a taxa de desocupação no último trimestre foi 0,2 ponto percentual menor que no trimestre anterior.

As contratações temporárias se somam aos décimos terceiros salários e bonificações, melhorando o poder de compra da população e, consequentemente, a demanda por carne bovina no mercado doméstico.

Isso ocorre pelo efeito de elasticidade-renda da demanda por carne bovina. A elasticidade é uma característica da demanda de alguns produtos, que aumenta paralelamente ao acréscimo de renda da população.

Exportações

Quanto às exportações, o último trimestre tipicamente é de aumento das vendas, com destaque para as compras da China, que se estoca para o período de Ano Novo. Em 2022 a festividade no país ocorrerá no início de fevereiro.

Na média dos últimos dez anos, as exportações brasileiras de carne bovina in natura no último trimestre representaram 28,1% da receita e 27,4% do volume anual (Secex). Como um trimestre equivale a um quarto do ano (25,0%), isso demonstra que é um período de vendas mais concentradas.

Considerando a média de 2019 e 2020, anos nos quais a China ganhou espaço nos nossos embarques, o faturamento do último trimestre foi equivalente a 31,4% do total anual, e o volume representou 29%.

As atenções se voltam à retomada das compras da China após o caso atípico de vaca louca, que gerou suspensão dos embarques brasileiros. Após a resolução dessa questão, esperamos bons volumes exportados para o destino na reta final do ano.

Variações dos preços do boi e da carne no final do ano

Com o cenário de bom ritmo de exportações na reta final do ano se somando ao momento de melhor demanda doméstica, normalmente, os preços no mercado do boi gordo e carne bovina são maiores na reta final do ano.

Para demonstrar essa sazonalidade das cotações, fizemos a comparação dos preços médios no último trimestre, com a média de janeiro a setembro, em cada ano, nos últimos dez anos. Veja a figura 2.

Figura 2.
Relação entre os preços médios no último trimestre, frente à média de janeiro a setembro, nos últimos dez anos. 

Fonte: Scot Consultoria

A carne de traseiro no atacado com osso, o dianteiro, a carcaça (boi casado) e o boi gordo têm preços médios maiores na reta final do ano.

Aqui podemos destacar dois movimentos. A valorização maior do traseiro, relacionada ao período de mais renda disponível, o que estimula mais o consumo de cortes de maior valor agregado e que possuem maior elasticidade de renda, como os de traseiro.

Outro ponto que podemos destacar é que a carcaça, em média, sobe mais que o boi gordo no último trimestre, ou seja, há melhoria na margem da indústria nesse intervalo.

Expectativas

Com o cenário esperado de bons volumes exportados e demanda doméstica crescente, devemos ter um fim de ano de preços firmes, com uma possível retomada de altas mais relevantes, tanto para o boi gordo como para a carne bovina.

Hyberville Neto – médico-veterinário, msc.
Scot Consultoria

Clique e leia a matéria completa

Tags

Compartilhe nas suas Redes Sociais:

Cadastre-se e tenha acesso a conteúdos exclusivos e personalizados

Cadastro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*