Aprenda a mensurar a massa da forragem

Saiba qual é a importância de se mensurar a massa da forragem na capacidade de suporte da pastagem (taxa de lotação).

Confesso que foram poucas as vezes que medi a produção da forragem nestes 30 anos em que trabalho com pastagens, tanto como consultor quanto como produtor.

Isso se deve ao conjunto de fatores que acaba sendo observado na consultoria e na produção que impacta diretamente no resultado. Mensurar a massa da forragem acaba sendo um dado secundário, volátil, mas não menos importante.

Secundário, porque acaba sendo muito mais importante manejar bem o gado no dia a dia, ajustando a capacidade de suporte em função de clima, conjunto de pastagens da fazenda (mitigando a sobra ou falta de pasto), disponibilidade de animais – em função de compras e vendas ou nascimentos constantes, ganho de peso etc.

Treinar as pessoas para que não haja falta ou desperdício de forragem é um grande desafio.

De que adianta o pasto produzir bem se a colheita do capim não é eficiente? Se após o pastejo, ficou capim deitado sem condições de consumo, se restou muito capim entouceirado sem comer ou se ficou rapado?

Tudo é muito dinâmico e precisa ser ajustado diariamente. Se a fazenda tem condições de mensurar a massa da forragem, é mais um dado valioso para se considerar.

Volátil, porque muda muito rapidamente em sistemas adubados ou com solo fértil quando sabemos que o capim chega a crescer 5 centímetros por dia! Ou seja, de um dia para o outro, já mudou muita coisa. Em sistemas extensivos, já sabemos que as lotações não vão variar muito além de 1 a 2 cabeças/ha. Perde-se um pouco a razão de medir a capacidade de suporte.

Antes de mensurar a massa da forragem, é muito mais fácil e importante trabalhar diariamente o manejo de altura de entrada e saída nos pastos ou piquetes para garantir a qualidade da forragem e maior eficiência de pastejo (quantidade disponível – quantidade consumida = sobra desejada para um melhor rebrote do capim).

Mas, se estivermos numa propriedade que possibilite a mensuração da forragem, como fazer na prática? E como usar esse dado?

Três passos para mensurar a massa da forragem

1° Passo

Selecionar os pastos que serão pastejados nos próximos um ou dois dias para serem amostrados com a técnica do “quadrado”. Trata-se de uma ferramenta com exatos 1 x 1 metro de lado, que é lançada aleatoriamente para corte e pesagem do capim.

2° Passo

Cortar o capim na altura ideal de pastejo, deixando a sobra recomendada pós-pastejo para cada tipo de capim (tabela 1) e pesar a forragem obtida em cada metro quadrado. Fazer pelo menos três repetições em cada pasto visando ter um número mais próximo da realidade.

Tabela 1.
Alturas pré e pós-pastejo recomendadas para manejo de gramíneas sob lotação rotacionada.

mensurar a massa da forragem
Fonte: MONTAGNER, Denise Baptaglin. Disponível em: https://pastoextraordinario.com.br/altura-do-capim-na-entrada-do-gado-como-ferramenta-de-manejo-de-pastagens/.

3° Passo

Fazer as contas de produção e estimativa de lotação sabendo que:

Cada Unidade Animal (UA = 450 kg de peso vivo = um animal com 15@, considerando 50% de rendimento de carcaça) consome cerca de 50 kg de capim/dia (número a ser aferido em cada situação, mas esse valor serve de parâmetro).

Consideramos no consumo acima:

✓ consumo de 2,2% de matéria seca por animal/dia (esse número varia em função do estágio e do tipo do capim, da categoria e do tipo do animal, do nível de suplementação etc.);

✓ capim com 80% de umidade (esse item varia bastante ao longo do ano e em função das chuvas e pode ser obtido na fazenda com um forno de micro-ondas e balança de precisão).

Sendo assim, 1.750 kg seria o consumo de capim para uma UA durante um período de 35 dias (média de tempo que a maioria dos capins leva para se restabelecer, podendo ser ajustado também de acordo com a situação de cada um), ou seja, conforme esse raciocínio, cada metro quadrado precisa estar produzindo, em média, 0,175 kg de capim verde para suportar uma Unidade Animal (1.750 kg dividido por 10.000 m²).

Se na amostragem que fizermos tivermos, por exemplo, 0,7 kg de capim verde por metro quadrado, significa que podemos colocar 4 UA/ha (0,7 dividido por 0,175). Essas 4 UA/ha significam, por exemplo, 8 bezerros de 7,5@/ha = 800 bezerros num pasto de 100 ha, preferencialmente dividido em alguns piquetes).

Conforme foi mencionado, há muitas variáveis a serem aferidas para que essa mensuração de forragens seja a mais próxima da realidade, porém, se aplicarmos a metodologia acima, já teremos um rumo bastante próximo do que está acontecendo para errar menos no manejo.

O objetivo é pontuar, na prática, uma forma mais fácil de se fazer essa avaliação, para que as pessoas possam realizá-la quando acharem importante, e, à medida que forem se aperfeiçoando, possam procurar assistência técnica especializada para se aprofundar.

Conclusões

Os dados de disponibilidade de forragens são importantes para gerar números aos gestores de manejo da pastagem a fim de melhorar o desempenho econômico do negócio, pois ajusta a capacidade de suporte momentaneamente, evitando sobras de pastagens ou a falta delas, que prejudica o desempenho animal, pode aumentar a presença de ervas daninhas e afetar a longevidade das pastagens.

Acreditamos que, em breve, teremos ferramentas digitais que poderão, por meio de drones, satélites e processamentos de imagens por NDVI, facilitar esse inventário de estoque de forragens nas propriedades, principalmente as maiores, que têm mais dificuldade de gerar essa informação.

Acertar no manejo do pasto, além de ganhos pecuários, é também uma forma de valorizar o trabalho da equipe envolvida.

Autor: Carlos Alberto Ohara, engenheiro agrônomo pela ESALQ-USP. Sócio-fundador da ViaVerde Consultoria Agropecuária.

Clique e leia a matéria completa

Tags

Compartilhe nas suas Redes Sociais:

Cadastre-se e tenha acesso a conteúdos exclusivos e personalizados

Cadastro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*