Expectativas para a atratividade do confinamento e exportações de carne bovina

Sem resultados exuberantes para as projeções de resultado do confinamento, devemos ter uma oferta modesta nos próximos meses. A associação disso a exportações fortes traz expectativas de preços firmes para o boi gordo

exportações de carne bovina

Este tem sido um ano de oferta limitada de gado para abate, com destaque para o movimento de retenção de fêmeas, gerado pela atratividade da cria, com os preços da reposição em alta.

A associação da oferta de fêmeas às exportações em bom ritmo manteve o mercado do boi gordo firme, mesmo no final da safra.

Isso ajudou na boa demanda por animais de reposição, valorizando os bois magros, paralelamente a um mercado firme para o milho e preços futuros contidos em boa parte do primeiro semestre.

Com o boi magro e o milho em alta, sem grande atratividade dos preços futuros do boi gordo, o volume de gado de confinamento tem sido contido.

Leia também: O que esperar dos mercados de milho e farelo de soja neste 2º semestre

Confinamento

Para avaliar a atratividade do confinamento, podemos destacar alguns itens. Do lado dos custos, o maior é o da reposição, ou seja, o preço do boi magro, seguido pelo da alimentação e, nesse grupo, o milho é o destaque de boa parte das dietas.

Com isso, a análise do preço do milho, do boi magro e das cotações do boi gordo (receita), sejam elas no mercado físico ou futuro, dá uma boa indicação do cenário de atratividade do sistema de produção.

Atratividade que, por sua vez, ajuda a definir o volume de boiadas que entrarão nesse sistema e, por consequência, a oferta de gado no segundo semestre, que tem uma parcela importante de gado em confinamento e semiconfinamento.

Dessa forma, vamos analisar as cotações desses componentes de custo e receita ao final de julho. Tomamos esse mês como referência porque o gado que entra no confinamento nessa época, após cerca de 90 a 100 dias de cocho, é vendido em outubro, mês conhecido como referência para a entressafra nos mercados futuros. Veja a figura 1.

Figura 1. Variações de componentes de custo e boi gordo.

exportações de carne bovina
Obs: referência de preços ao final de julho.
Fonte: Scot Consultoria.

Apesar das altas do boi gordo na comparação anual, entre o final de julho/19 e julho/20, o boi magro subiu mais e o milho não ficou muito para trás.

Cenário semelhante quando consideramos o período desde o começo do ano, com valorização maior do boi magro em relação ao boi gordo. Ou seja, o principal componente de custo do confinamento pesou frente à receita.

Os preços futuros do boi gordo também não colaboraram em boa parte do primeiro semestre. Com a chegada da pandemia ao Brasil, as cotações futuras chegaram a R$ 176,00/@, considerando o contrato de outubro. Depois se recuperaram e, ao final de julho, estavam em torno de R$ 223,00/@.

Com os custos em alta – e aqui cabe destacar que o milho e a reposição continuaram com valorizações em agosto –, não é esperado um aumento forte da oferta de gado confinado nos próximos meses, ainda que esta deva aumentar. A própria sazonalidade da oferta de confinamento tende a gerar acréscimo na segunda metade do semestre.

Para ilustrar, em uma simulação simples, consideramos preços em São Paulo ao final de julho (venda ao final de outubro/começo de novembro). Com o boi magro cotado em R$ 3,1 mil, uma diária de R$ 10,00, com cem dias de cocho, ganho médio diário de 1,6 kg e rendimento de carcaça de 54%, temos um custo de arroba de R$ 219,00.

Com os preços futuros em torno de R$ 223,00, também ao final de julho (momento de entrada do gado abatido ao final de outubro), o resultado projetado era de R$ 74,50 por cabeça, desempenho modesto.  

Exportações

Segundo a Secretaria de Comércio Exterior (Secex), entre janeiro e julho de 2020, as exportações de carne bovina in natura somaram 946,6 mil toneladas, um aumento de 15,2%, em comparação com o mesmo período de 2019.

O preço médio em dólares aumentou 14,9% na mesma comparação, o que gerou um acréscimo de receita de 32,3% na moeda estrangeira.

Como apontamos no texto Carne bovina: mercado interno versus mercado externo, nossa maior compradora, de longe, é a China. Até julho, o país representou 53% da receita de carne bovina in natura vendida pelo Brasil. Hong Kong fica com a segunda posição, com 11%.

A relevância do destino também é observada para os embarques de carne de aves e suínos. Isso tem ocorrido por conta da lacuna de proteínas deixada pelo surto de peste suína africana, que acomete o país desde a segunda metade de 2018.

Como ainda têm sido registrados novos surtos, a recomposição do rebanho suíno no país a ponto de esfriar as compras deve demorar algum tempo, mantendo as boas vendas para o destino. O ponto de atenção é quanto às possíveis dificuldades impostas pelo destino, após a identificação de material genético do coronavírus em uma carga de carne de frango do Brasil.

Considerações

A tendência é que a oferta de animais terminados em confinamento siga crescente nos próximos meses, mas esse aumento deve ser modulado pelos custos em alta, como apresentado.

Com exportações em bom ritmo, esperamos um cenário de preços firmes para o boi gordo nos próximos meses, ainda que a demanda doméstica esteja lenta, por conta da crise econômica.

De toda forma, a volta gradativa das atividades econômicas, somada ao consumo tipicamente melhor de segundo semestre, traz expectativas positivas.

Autor: Hyberville Neto – médico veterinário, msc.

Clique e leia a matéria completa

Tags

Compartilhe nas suas Redes Sociais:

Cadastre-se e tenha acesso a conteúdos exclusivos e personalizados

Cadastro

2 respostas para “Expectativas para a atratividade do confinamento e exportações de carne bovina”

  1. Avatar Adimar Souto - Minas Gerais (MG) disse:

    Boa tarde.
    A minha preocupação não é em relação ao segundo semestre de 2020, mas sim, a partir de 2021!
    Porque?
    O que será dos pecuaristas que estão fazendo reposições de animais que não darão abate este ano pagando preços exorbitantes, muito além dos praticados pelos frigoríficos?
    Outra coisa: Como ficará o reflexo desta pandemia para o futuro, quando findar ajuda do governo etc?
    Não estou conseguindo ver margem com reposições nestes patamares!!!

    1. Pasto Extraordinário Pasto Extraordinário disse:

      Olá, Adimar! Tudo bem? Essas questões realmente são muito relevantes. Estamos sempre atualizando o site com as novidades sobre o mercado. Fique ligado aqui e nas nossas redes sociais para não perder nada. 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*