Auxílios devem influenciar diretamente no consumo de carne bovina

Com possível melhora do consumo, ao lado da baixa oferta de animais, preços devem ganhar firmeza.

Com a entrada do período de seca e incremento na oferta de animais de capim para diminuir a pressão nas pastagens, o preço da arroba caiu, chegando ao seu menor preço em 2022 no início de junho (R$ 292,50/@, referência São Paulo, preço a prazo e livre de impostos).

Com o vigor das pastagens diminuindo de modo mais intenso, típico do período, e menor oferta de gado, a pressão de baixa cessou e, ao longo de junho, o preço da arroba do boi nas praças paulistas subiu 6,4% até o final do mês (30/6), negociada por R$ 312,00/@, trazendo expectativa de que a entressafra acompanharia seu “roteiro tradicional” de preços firmes para a arroba do boi gordo.

Porém, com uma demanda por carne bovina no mercado interno compassada e uma maior participação de gado a termo negociado na praça, as escalas avançaram na ponta compradora e os preços cederam, com destaque para a segunda quinzena do mês. Veja na figura 1.

Figura 1.
Cotação da arroba do boi gordo, em São Paulo, em R$/@, a prazo e livre de impostos.

Fonte: Scot Consultoria

As exportações seguem com ritmo firme e, assim como em praticamente todos os meses de 2022 no primeiro semestre (exceção de maio), a expectativa é de recorde para os embarques em julho.

Até a quarta semana de julho/22, 129,7 mil toneladas de carne bovina in natura foram embarcadas, com um volume médio diário de 8,1 mil toneladas, 7,7% acima da média de julho/21 (7,5 mil toneladas).

Por fim, do lado dos custos de produção e atratividade para o confinamento, julho foi marcado pelo melhor mês nos últimos doze meses na relação de troca com o milho para o pecuarista.

Além do milho, a relação de troca com o boi magro atingiu o melhor patamar em 2022, cenário positivo para o recriador/invernista a frente. Acompanhe nas figuras 2 e 3.

Figura 2.
Relação de troca: sacas de milho por arroba de boi gordo em São Paulo.

Fonte: Scot Consultoria

Figura 3.
Relação de troca: aquisição de boi magro por boi gordo (19@) vendido em São Paulo.

Fonte: Scot Consultoria

Expectativa para o curto prazo

Para o início do mês de agosto, a aprovação da PEC dos Auxílios, junto com o recebimento dos salários e Dia dos Pais, trazem a expectativa de aumento do consumo interno, o que poderá melhorar o escoamento da carne no varejo e enxugar as escalas de abate das indústrias frigoríficas.

De olho no médio prazo (setembro/outubro), além da injeção de capital promovida pelos auxílios governamentais, o desemprego no país, que atingiu o menor patamar em junho/22 desde 2015, somado à geração de empregos temporários durante o período eleitoral, também traz expectativas positivas ao mercado do boi gordo.

O momento atual é positivo ao segundo giro de confinamento. Todo esse contexto, em meio a uma menor oferta de gado tradicional dos últimos trimestres, somado à expectativa de manutenção do ritmo exportador, deverá limitar o viés baixista e retomar a firmeza para a cotação do boi gordo.

Clique e leia a matéria completa

Tags

Compartilhe nas suas Redes Sociais:

Cadastre-se e tenha acesso a conteúdos exclusivos e personalizados

Cadastro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*