O clima e a colheita da safra de inverno

A atenção se volta para o Rio Grande do Sul, que deverá registrar chuvas e frio em curto prazo, o que poderá prejudicar a colheita das culturas de inverno.

boletim climatologico pasto extraordinario

O tempo seco favoreceu o avanço da colheita da segunda safra de milho e sorgo no país.

Os trabalhos foram concluídos em meados de agosto em Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás e Minas Gerais.

Já no Paraná, até o dia 26/8, 96% das áreas com milho de segunda safra haviam sido colhidas, de acordo com o Departamento de Economia Rural (DERAL). A expectativa é de que a colheita seja concluída nos primeiros dias de setembro.

Nesses estados, as chuvas não ultrapassaram os 25-50 milímetros no acumulado do mês, sendo que nas áreas em branco no mapa (figura 1) não choveu nesse período.

Figura 1
Volume de chuvas no Brasil em agosto/2019, em milímetros.

Fonte: INMET

Destacamos que em algumas regiões no Brasil Central, Sudeste e Semiárido Nordestino não chove há mais de sessenta dias. Com isso, a situação das pastagens nessas localizações segue bastante prejudicada e a oferta de gado é composta por animais de confinamento e/ou semiconfinamento.

Chuvas em maiores volumes, de até 250-300 milímetros, foram verificadas somente no extremo Norte do país (norte do Amazonas e Roraima).

Choveu também na região Sul, especialmente no Rio Grande do Sul, que registrou precipitações de até 100-150 milímetros. O estado está com boa parte das lavouras de trigo (2018/2019) em fase de desenvolvimento vegetativo e, no caso da canola e da cevada, a colheita teve início, sendo que a maior parte das áreas está em fase de enchimento dos grãos. Outras áreas já estão prontas para serem colhidas.

No Paraná, a colheita do trigo atingiu 3% até o final de agosto.

Pensando nas culturas de inverno, a situação é favorável para o avanço dos trabalhos no Paraná, local que deverá seguir com tempo mais seco comparativamente com o Rio Grande do Sul, cuja previsão é de chuvas e tempo mais frio nos próximos dias, o que poderá dificultar a entrada das máquinas nas áreas para a colheita.

Na figura 2, apresentamos o mapa com as condições para a colheita no Brasil em curto prazo.

Figura 2
Condições para a colheita no Brasil em 48 horas a partir de 29 de agosto de 2019.

Fonte: INMET

Para esta primeira semana de setembro, a previsão é de chuvas somente no extremo Norte do Brasil (Amazonas, Roraima e parte do Acre) e estados do Sul.

Os volumes previstos para essas regiões variam de 60 a 100 milímetros no acumulado até o dia 7 de setembro, conforme a figura 3.

Figura 3
Previsão de chuvas no Brasil entre os dias 30 de agosto e 7 de setembro de 2019, em milímetros.

Fonte: USDA

Para o restante do país, a expectativa é de que as chuvas retornem de forma mais regular e em volumes maiores somente a partir de meados de setembro, sendo que em algumas áreas essa retomada poderá ser mais tardia.


Toda segunda-feira um novo boletim climatológico é publicado às 6h. Não deixe de acompanhar!

Clique e leia a matéria completa