Escolhendo o cocho para fazenda de pecuária de corte

Tão ruim quanto negligenciar a nutrição dos animais, é negligenciar a infraestrutura responsável por fornecer a dieta.

cocho para fazenda

O tão esperado período chuvoso chegou e trouxe consigo os pastos verdes e o aumento no potencial de ganho de peso dos animais. Mas, como já dissemos aqui, o pasto sozinho não atende a todas as exigências nutricionais dos animais,  além disso, a suplementação pode explorar ainda mais esse potencial de ganho.

Ou seja, durante esse período das águas, suplementar a boiada é uma boa estratégia, pois pode proporcionar retornos econômicos maiores e mais rápidos para o produtor.

Quando se fala em suplementação a pasto, uma das primeiras coisas que vem à mente do produtor é o cocho. E ele está certo, pois o acerto no suplemento pode ser mascarado caso o cocho não seja funcional.

A escolha dessa infraestrutura parece ser simples e fácil, contudo, definir o cocho ideal é de extrema importância, pois ele influencia diretamente o consumo dos animais.

O assunto fica ainda mais sério na época das águas, nos casos de a fazenda fornecer ureia junto com o suplemento, pois, ao entrar em contato com a água, o produto pode causar intoxicação nos animais. Nesses casos, é ideal que o cocho seja coberto.

Diante da importância, o produtor precisa estar com algumas premissas claras, e a primeira delas é o posicionamento dessas estruturas no pasto.

Localização ideal do cocho

A disposição do cocho no pasto é importante, pois, se colocado em posições erradas, os animais podem não ter estímulo para ir até ele.

O ideal é que o cocho sempre esteja posicionado em locais próximos ao bebedouro ou outros acessos à água (como açudes ou lagos). Dessa forma, quando os animais vão matar a sede, a proximidade do comedouro é um incentivo para o consumo do suplemento.

No momento do trato (que deve ser realizado sempre no mesmo horário), o tratador deve chamar a atenção dos animais, criando um condicionamento para a alimentação. Assim, todas as vezes que os animais perceberem que o tratador está chegando, já se direcionarão ao cocho.

Logicamente que o cocho também deve estar bem disposto no pasto para facilitar a passagem do tratador do gado. Nesses casos, também há vantagens para os animais, porque cochos em locais planos ajudam o acesso do gado, e o menor nível de declive no terrado evita acidentes com os animais.

Tamanho do cocho

O tamanho do cocho é um dos principais itens a ser levado em consideração, pois como os bovinos têm o comportamento gregário (vivem em grupos), eles se alimentam todos ao mesmo tempo.

Por isso, quando o assunto é suplemento de alto consumo, os cochos têm que ter tamanho suficiente para atender todo o rebanho ao mesmo tempo e, assim, evitar brigas ou comportamentos de dominância entre os animais.

Ou seja, a definição da metragem deve levar em consideração o volume de alimento que será oferecido aos animais. Veja na tabela 1, as indicações.

Tabela 1.
Espaçamento de cocho de acordo com a suplementação dos bovinos.

Sal mineralSal mineral aditivado (0,5g/kg de PV)Proteinado de baixo consumo
(1 a 2g/kg de PV)
 Proteico energético  (3 a 5g/kg de PV)

Ração para semiconfinamento
(7 a 12 g/kg de PV)

3 a 5 cm/animal6 a 12 cm/animal30 a 40  cm/animal40 a 50 cm/animal40 a 50   cm/animal

Fonte: Scot Consultoria

Tipos de cocho

Após decidir a localização do cocho e a quantidade necessária, chegou a hora de definir o material da infraestrutura.

Alguns produtores usam pneus ou tambores como cocho, outros compram cocho de cimento, de madeira ou de polietileno, que são comercializados no mercado.

Nesses casos, não há produto ideal, a escolha deve ser de acordo com o custo/benefício para o produtor, que envolve a facilidade de obtenção do produto, a necessidade de manuseio, de instalação, de manutenção e a relevância da resistência.

Uma novidade no mercado são os cochos móveis, em que as principais vantagens envolvidas são economia de mão de obra e não formação de lama e esterco ao redor (acompanhe nossa plataforma, pois esse será um dos nossos próximos temas).

Custos para o produtor

Usando como exemplo o cocho de tambor, um dos mais usados pelos pecuaristas no Brasil, uma banda tem um metro, considerando que os dois lados serão usados pelos animais, esse cocho pode suportar até quatro animais, considerando o suplemento de alto consumo.

Normalmente, esse produto tem vida útil de três anos, ou seja, durante esse tempo, o cocho atenderá 12 animais. Como esse cocho custa R$ 60,00, o preço do ciclo da engorda seria de R$ 5,00/animal.

Conclusões

A escolha do cocho não deve ser negligenciada, pois errar na infraestrutura pode causar desperdícios de alimentos e até mesmo impedir que os animais se alimentem, refletindo diretamente no desempenho animal.

Dessa forma, para escolher o cocho ideal, o produtor deve levar em conta seu sistema de produção e seus objetivos, antes de fazer o investimento.

Por fim, após a aquisição, os cochos merecem atenção especial do pecuarista em relação à limpeza e à manutenção. A leitura dos cochos deve ser diária, para retirar as sobras e evitar a presença de moscas.

Autora: Marina Zaia – médica-veterinária

Clique e leia a matéria completa

Tags

Compartilhe nas suas Redes Sociais:

Cadastre-se e tenha acesso a conteúdos exclusivos e personalizados

Cadastro

4 respostas para “Escolhendo o cocho para fazenda de pecuária de corte”

  1. Avatar Renato Ribeiro da Silva - Acre (AC) disse:

    Legal

    1. Pasto Extraordinário Pasto Extraordinário disse:

      Que bom que gostou, Renato. Agradecemos por nos acompanhar! 😉

  2. Avatar Orlando Gonçalves Pereira - Bahia (BA) disse:

    Sucesso à todos

    1. Pasto Extraordinário Pasto Extraordinário disse:

      Agradecemos pelo comentário, amigo. Esperamos que esteja aproveitando os conteúdos. 🙂 Um abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*