Diferimento da pastagem e forragem para a seca – Parte 2

O diferimento da pastagem permite o acúmulo de 3,0 a 4,0 toneladas de matéria seca por hectare, que o pecuarista pode armazenar e, posteriormente, fornecer para os bovinos, durante a época de baixa disponibilidade de forragem.

diferimento da pastagem e a forragem

Quanto de forragem deve ser acumulado

O planejamento do diferimento deve ser feito com objetivo de acumular entre 3,0 e 4,0 t de matéria seca/ha (EUCLIDES, 2002). Não se recomenda acumular mais massa de forragem para que a planta não fique muito alta e com maior proporção de talos, condições estas que contribuem para o aumento das perdas de forragem por acamamento e para a redução do valor nutricional da forragem.

Em termos de proporção da área da propriedade que deve ser diferida, vai depender muito da taxa de lotação que se trabalha no período chuvoso e a taxa de lotação programada para o período da seca. É importante, dentro de um planejamento alimentar de uma propriedade, programar os descartes e vendas de animais ao mesmo tempo em que se faz o diferimento das pastagens.

Normalmente, para sistemas extensivos e semi-intensivos, o diferimento de 20% a 40% da área de pastagens da propriedade é recomendado.

Qual deve ser a oferta de forragem para os animais e a taxa de lotação

Como o valor nutritivo da forragem diferida não é alto, é recomendado que a oferta de forragem (kg de matéria seca/100 kg de peso corporal) seja alta para permitir que o animal exerça a seletividade das partes mais ricas da planta durante o ato de pastejo.

O ideal é ofertar pelo menos quatro vezes a quantidade que o animal consome, ou seja, 8 kg de MS/100 kg de peso corporal, se admitirmos que o consumo de forragem será de 2 kg de MS/100 kg de peso corporal.

Na tabela 2, observa-se a interação entre disponibilidade de forragem e taxa de lotação sobre o ganho de peso por animal e por área.

diferimento da pastagem e a forragem

Fonte: REIS et al. (1996)

Com 1,4 UA/ha, houve ganho de peso por animal e por área, enquanto com 1,8 UA/ha houve perda de peso por animal, com consequente perda por área. Uma pequena diferença de 0,4 UA/ha fez a disponibilidade de forragem cair de 3.200 kg de MS/ha para 2.400 kg de MS/ha no início da seca e reduzir o resíduo pós-pastejo de 1.400 para 1.000 kg de MS/ha no final da seca.

A menor disponibilidade de forragem resultou em menor oferta de forragem, com consequente redução na capacidade do animal selecionar uma dieta de maior valor nutritivo.

A suplementação animal em pastagens diferidas

A forragem que se acumula em pastagens diferidas tem seu valor nutritivo reduzido e, desse modo, mesmo tendo alta disponibilidade de forragem, é preciso suplementar os animais com os nutrientes deficientes na forragem.

Na tabela 3, observam-se as alterações que ocorreram na composição da forragem de Brachiaria colhida, simulando o pastejo de acordo com a estação do ano.

Tabela 3.
Composição bromatológica média de pastos do gênero Brachiaria em função de diferentes períodos de coleta durante o ano.

diferimento da pastagem e a forragem

PB: proteína bruta; FDN: fibra em detergente neutro.
Fonte: PAULINO et al. (2002)

No período da seca, o nível de proteína bruta está abaixo daqueles 7% mínimos exigidos para a manutenção do peso de bovinos e, no período de transição seca-água, esse nível só é possível para manter o peso corporal. Desse modo, se for desejado ganho de peso, é preciso suplementar os animais com suplementos ricos em proteína degradada no rúmen, tais como suplementos que usam ureia e farelos proteicos.

Leia também: Saiba tudo sobre suplementação bovina na seca

Na tabela 4, encontram-se os ganhos esperados para um animal com peso de 300 kg pastejando em pastagem diferida e recebendo diferentes tipos de suplementos.

Tabela 4.
Resposta esperada ao uso de suplementos em pasto no período da seca, em pastagens diferidas.

diferimento da pastagem e a forragem

1Nitrogenado: é uma mistura de 70% de concentrado energético (milho ou sorgo ou farelo de trigo, etc) + 15% de ureia + 15% de sal mineral.
2Considerando o peso médio do rebanho de 300 kg.
3Na coluna “Ganho adicional esperado”, é o ganho adicional ao ganho já permitido pela pastagem. Por exemplo, se a forragem garantir apenas a manutenção do peso corporal de animais adultos (7% de PB), as respostas esperadas em ganho seriam iguais as da coluna “Resposta Esperada”.

Os resultados compilados na tabela anterior compreendem um período de mais de 30 anos de estudos científicos no Brasil.

Autor: Adilson de Paula Almeida Aguiar, zootecnista, professor de Forragicultura e Nutrição Animal no curso de Agronomia, de Forragicultura e Pastagens e Plantas Forrageiras no curso de Zootecnia nas Faculdades Associadas de Uberaba (FAZU); Consultor Associado da CONSUPEC – Consultoria e Planejamento Pecuário Ltda.; Investidor nas atividades de pecuária de corte e de leite.

 

Clique e leia a matéria completa

Tags

Compartilhe nas suas Redes Sociais:

Cadastre-se e tenha acesso a conteúdos exclusivos e personalizados

Cadastro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*