Expectativas para o mercado do leite no 1º semestre de 2020

A previsão é de uma oferta mais ajustada de leite e melhoria da demanda interna. Com isso, esperam-se valorizações mais fortes no mercado do leite nesta entressafra, em relação ao ano passado.

Expectativas para o mercado do leite

O pico de produção de leite foi registrado em dezembro último, nas principais bacias leiteiras do Brasil Central e da região Sudeste do Brasil.

Apesar da maior oferta de matéria-prima (leite cru), é importante destacar que os incrementos foram menores comparativamente com as variações médias históricas para o período. Por exemplo, em novembro/19, o Índice Scot Consultoria de Captação de Leite registrou um aumento de 0,9% na produção (média nacional) em relação ao mês anterior, e em dezembro/19 o incremento foi de 0,6%, frente a novembro/19.

Para uma comparação, nos últimos anos, a produção nacional cresceu entre 2,0% e 2,5% ao mês nesse período.

Os atrasos das chuvas no início da estação chuvosa, o aumento dos custos de produção no segundo semestre do ano passado (destaque para o milho) e as margens mais apertadas para o produtor, devido às quedas nos preços do leite, refletiram em menores investimentos na atividade e, consequentemente, impactaram a produção.

Ainda do lado da oferta, o cenário está mais ajustado também no Sul do país, mais especificamente no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina, onde a falta de chuvas e o calor intenso no final de 2019 e começo de 2020 prejudicaram as condições das pastagens e as lavouras de milho.

Com isso, a expectativa é de queda mais forte na produção de leite em janeiro e nos meses seguintes, já que as perdas na produção de milho vão impactar, além da oferta do grão, a produção de silagem para os animais.

Consumo interno

A associação de desemprego em queda com o crescimento econômico e sem inflação elevada corroendo o poder de compra da população desenham um cenário promissor para o consumo doméstico.

Existe também a possibilidade de o Brasil aumentar as exportações de leite em pó e queijos, criando um canal de escoamento da produção para a China, fato que poderá ajudar na sustentação dos preços no mercado interno.

A abertura do mercado egípcio e o acordo entre o Mercosul e a União Europeia também podem trazer oportunidades do lado das exportações. O aumento das exportações brasileiras de produtos lácteos vai depender, é claro, das negociações e da competitividade dos produtos lácteos nacionais no mercado internacional.

Outro ponto importante é que o dólar em patamar elevado deve diminuir as importações de leite em pó em 2020, sendo esse mais um fator positivo para a cadeia leiteira.

A preocupação é com relação aos custos de produção, especialmente com a alimentação (milho e farelo de soja), em função das altas de preços e peso maior no bolso do produtor em 2020 e nos dois anos seguintes.

Leia também: Qualidade do leite e reflexos no bolso do produtor

Preços ao produtor

Diante dos fatores apresentados, ou seja, de oferta mais ajustada e incremento da demanda, para 2020, a expectativa é de valorizações mais fortes no preço ao produtor no primeiro semestre, em relação à variação verificada na entressafra em 2019.

Para uma comparação, de janeiro a junho de 2019, o preço do leite (média nacional) subiu 12,1% frente a uma média de 20,5% de alta, nesse mesmo período, nos últimos cinco anos.

Este ano, as altas no preço do leite ao produtor deverão ficar mais próximas da valorização média dos últimos anos.

Autor: Rafael Ribeiro de Lima Filho – zootecnista, msc.

 

Clique e leia a matéria completa

Tags

Compartilhe nas suas Redes Sociais:

Cadastre-se e tenha acesso a conteúdos exclusivos e personalizados

Cadastro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*