Internet a favor da agropecuária durante a pandemia

Buscar novos canais de venda e repensar formas de relacionamento com o cliente por meio da internet são estratégias necessárias na agropecuária neste período.

internet na agropecuária

A pandemia da Covid-19 se tornou um grande desafio para o agronegócio mundial e para o brasileiro, em particular. Embora o comércio global de alimentos dê a impressão de normalidade, muitas cadeias produtivas estão enfrentando dificuldades e os profissionais do agro precisaram rapidamente buscar soluções para se adaptar a essa nova realidade.

Com as feiras, exposições e eventos agropecuários suspensos, os produtores rurais viram a necessidade de se reinventar para frear os impactos negativos e manter a comercialização dos seus produtos. Foi, então, que comerciantes e produtores de gado decidiram realizar a venda dos animais virtualmente.

Leia também: Mercado do boi: demanda x oferta

Leilões online

A Estância Bahia Leilões, localizada no Mato Grosso, está há 20 anos no segmento de leilão e agora buscou alternativas para manter as atividades em meio à crise. O diretor Maurício Tonhá conta que tiveram que apelar para a internet para realizar os leilões. “Tomamos essa decisão cumprindo de forma absoluta as recomendações das autoridades de saúde para evitar a aglomeração de pessoas e a proliferação da Covid-19”, afirma Maurício.

O primeiro leilão online realizado no mês passado garantiu a oferta de quase 22 mil animais, entre eles bezerros, touros e vacas. O sucesso foi tão grande que outras edições já foram marcadas para os próximos meses. “Promover o Mega Leilão é sempre um grande desafio. E cada edição tem um momento e uma característica diferente, mas eu nunca imaginei que viveríamos uma situação com esta e que dependeríamos totalmente da tecnologia para vender”, diz o diretor.

O projeto Mega Leilão tem duas décadas e é reconhecido nacionalmente pela confiança e respeito na intermediação dos negócios. “Nossas equipes trabalham firmes com o propósito de captar animais de excelente qualidade genética, selecionados pelos melhores criatórios do Mato Grosso”, ressalta.

Maurício notou que a venda dos animais online aumenta a abrangência e o número de compradores. Por outro lado, limita o contato e a troca de experiência entre produtores. O diretor avalia: “Essa é uma grande novidade com a qual estamos nos adaptando. É uma tendência que certamente veio para ficar”.

Leia também: Tecnologia consolida bons resultados no agronegócio em 2019

Leite e derivados

Outro setor do agronegócio que tem se mostrado normal na maioria das indústrias, mas para o qual a pandemia do coronavírus tem gerado dificuldades, é a comercialização de leite e queijo em algumas regiões, principalmente em Minais Gerais.

No estado, houve redução no consumo de derivados, como queijos e iogurtes, e isso está afetando diretamente pequenos produtores. Para amenizar o problema, profissionais ligados ao setor precisaram traçar novas estratégias para vender o produto e, também, tiveram de adotar medidas para a redução dos custos de produção.

O pecuarista Marcus Vinícius Santos, do município de Porteirinha, norte de Minas Gerais, contou que precisava vender rapidamente o leite produzido, pois corria o risco de perder toda sua produção. Neste momento, ele e a família se juntaram para encontrar uma solução. Foi aí que pensaram em inovar no jeito de vender, utilizando os recursos da internet a seu favor. Começaram a enviar mensagens via WhatsApp para conhecidos e amigos, fizeram publicações em suas redes sociais e em grupos da cidade e, ainda, ofereceram o serviço de delivery para os compradores.

Leia também: Aproveite as redes sociais para ampliar seu negócio

Marcus conta que, no início da pandemia, vários pecuaristas doaram parte da produção de leite para entidades filantrópicas do município, pois não conseguiram vendê-la. “Nós estávamos bem preocupados e corríamos o risco de perder tudo, mas a aceitação na internet foi tão boa que estamos conseguindo passar por essa fase”, destaca. 

Aos poucos, o pecuarista foi acertando a sua produção de leite – seguindo também algumas orientações da Emater para evitar prejuízos na pecuária leiteira com a redução dos gastos com a alimentação dos animais. “Eu reduzi a ração para as vacas, fui diminuindo por semana para evitar problemas de saúde dos animais. Coloquei os animais com alimentação mais a pasto. Para as vacas que estão com pouco leite, optamos por secá-las”, finaliza Marcus.

Leia também: Expectativas para o mercado do leite no 1º semestre de 2020

Recomendação

O momento de quarentena talvez seja uma oportunidade para os pequenos e médios produtores rurais reunirem a família e os colaboradores para discutir e planejar o empreendimento rural com ações de curto, médio e longo prazo. Além disso, todos devem rever os investimentos para a próxima safra. Se os recursos estiverem apertados, o ideal é reprogramar a produção, sem esquecer a qualidade do processo.

Com certeza, estamos tirando grandes lições com esta crise, e muitas delas vão gerar transformações nas diversas cadeias. É notório o esforço dos profissionais do agronegócio em ampliar seus serviços por meio da tecnologia e em fortalecer esse aprendizado.

Leia também: Apps agro para ajudar você

A pandemia trouxe algum impacto positivo ou negativo ao seu negócio? Conte para a gente como você está lidando com isso!

Clique e leia a matéria completa

Tags

Compartilhe nas suas Redes Sociais:

Cadastre-se e tenha acesso a conteúdos exclusivos e personalizados

Cadastro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*