Uso de sistemas de pastagem consorciada para aumento da eficiência

Práticas favorecem a qualidade da pastagem em diferentes épocas do ano.

O clima tropical brasileiro é favorável para o desenvolvimento de pastagens, principalmente na época das águas, havendo a redução da produção em períodos com baixos índices pluviométricos, temperaturas amenas e baixa luminosidade.

Com isso, práticas que permitem melhorar o sistema produtivo, fornecendo forragem de melhor qualidade nutricional durante todas as épocas do ano (águas e secas), são essenciais para obtenção de boas produtividades. Entre elas, a consorciação é uma ótima opção.

O que é um sistema em consorciação?

O consórcio de culturas é um sistema no qual duas ou mais espécies ocupam uma mesma área no mesmo período de tempo. No caso da pastagem consorciada, são áreas com duas ou mais espécies vegetais com interesse zootécnico e/ou agronômico, sendo uma delas destinada ao pastejo animal.

Dependendo das espécies utilizadas no consórcio de plantas forrageiras, pode haver aumento na produtividade, proteção do solo, melhoria no valor nutritivo para a alimentação dos animais, promoção da fixação biológica de nitrogênio, redução nos custos com recuperação e reforma de pastagem, maior quantidade de forragem e diversificação da produção.

Porém, quando há o consórcio entre culturas, pode haver dificuldade para operações mecanizadas e aplicação de insumos, além de ser necessário maior conhecimento técnico para seleção de cultivares e aplicação de defensivos.

Sobressemeadura em pastagens

A sobressemeadura é uma forma de consorciação de gramíneas forrageiras que promove o aumento na oferta de forragem durante períodos de estacionalidade de pastagens tropicais, tornando-se uma alternativa ao fornecimento de suplementação durante períodos críticos.

A prática consiste no estabelecimento de culturas anuais de inverno sobre uma forrageira perene já estabelecida, buscando o aumento na oferta de alimento para os animais durante os períodos mais críticos do ano, sem eliminar a espécie já existente.

A técnica permite aumentar a produção e o valor nutritivo durante a estação fria e seca, aumentando a oferta de forragem durante todo ano.

Entretanto, o déficit hídrico e temperaturas muito altas que favoreçam o desenvolvimento das espécies tropicais já estabelecidas ou temperaturas muito baixas que prejudicam o crescimento da forrageira de inverno são pontos que podem inviabilizar o uso da sobressemeadura.

Entre as alternativas das gramíneas tropicais, que são limitadas devido a temperaturas baixas durante o outono e o inverno, destaca-se o cultivo de aveia e azevém, que possibilitam a distribuição da oferta de forragem ao longo do ano.

Consórcio entre gramíneas e leguminosas

Uma das características de plantas leguminosas é a fixação biológica de nitrogênio por meio de bactérias em suas raízes que retiram o nitrogênio da atmosfera e o disponibilizam para as plantas, permitindo a incorporação no sistema.

Em épocas do ano como o outono e inverno, em que há redução no valor nutritivo dos capins ou em pastagens de menor valor alimentar, o consórcio com leguminosas torna-se vantajoso, contribuindo para melhoria da dieta dos animais, aumento no período de pastejo, rendimento animal e recuperação de pastagens com algum grau de degradação.

Quando comparadas com as gramíneas, as leguminosas possuem maiores concentrações de proteína bruta e boa digestibilidade, favorecendo o desempenho animal.

Outras formas de consorciação

Outras formas de consorciação são os sistemas integrados, estratégias que integram atividades agrícolas, pecuárias e florestais. Eles podem ser dos seguintes tipos: agropastoril, silvipastoril e agrossilvipastoril.

No sistema agropastoril, há a integração entre os componentes agrícola e pecuário em rotação, consórcio ou sucessão em uma mesma área.

O sistema silvipastoril é a integração entre os componentes pecuário e florestal em consórcio. Geralmente é destinado para áreas onde não é possível inserir o sistema agrícola.

Já o agrossilvipastoril compõe a rotação, consórcio ou sucessão entre os sistemas agrícolas e pecuários juntamente com o componente florestal em uma mesma área.

Considerações

Os objetivos do uso de pastagem em sistemas agrícolas envolvem o aumento da palhada para plantio direto, reestruturação física do solo, aumento do teor de matéria orgânica no solo, redução de pragas, doenças e plantas daninhas.

Os benefícios envolvidos nos sistemas consorciados promovem o aumento na produtividade dos componentes agrícolas e pecuários, além de reduzir os custos para reforma e renovação das pastagens.

Bibliografia consultada

BALBINO, Luiz Carlos. Sistemas de integração: o que são, suas vantagens e limitações. Brasília: Embrapa, 2012.

MANFRON, Angelica Consoladora Andrade. Sobressemeadura, uma alternativa entre safras para alimentação animal e palhada. Revista Plantio Direto, 2019.

RODRIGUES, Douglas Augusto. Sobressemeadura de aveia e azevém em pastagens tropicais no inverno. Garça: Revista Científica Eletrônica de Medicina Veterinária, 2011.

Clique e leia a matéria completa

Tags

Compartilhe nas suas Redes Sociais:

Cadastre-se e tenha acesso a conteúdos exclusivos e personalizados

Cadastro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*