Você já ouviu falar na guanxuma?

Apesar de poder ser utilizada para a produção de chá, a guanxuma é uma planta daninha tóxica para bovinos.

Guanxuma

Também conhecida como vassourinha, tupixá e chá-da-índia, a guanxuma é uma planta daninha que, assim como as outras, se não controlada, diminui o potencial de produção do pasto, afetando a capacidade de suporte das pastagens e, consequentemente, o resultado econômico da propriedade.

A guanxuma (Sida carpinifolia) é uma planta subarbustiva, perene e atinge cerca de 0,7 metros. A infestação da planta ocorre por meio da disseminação da semente, associada ao manejo inadequado da pastagem.

Prejuízos para a pecuária

Além da redução de alimento para os bovinos, devido à competição entre a forragem e a planta daninha, a guanxuma é uma espécie que, apesar de ser utilizada para a produção de chá para humanos, se ingerida em grandes quantidades e por um longo período, é tóxica para os animais.

Segundo estudos científicos, o consumo de 10 g/kg, durante um período de 120 dias (quatro meses), é suficiente para que o animal apresente sinais clínicos da intoxicação.

Dificuldade em se deslocar (incoordenação), tremores e quedas frequentes são sinais de que o animal sofreu uma intoxicação pelo consumo excessivo de guanxuma.

Nos casos mais extremos, os animais podem até mesmo morrer devido à intoxicação.

Além de ser tóxica para bovinos, vale ressaltar que a planta também é tóxica para equinos, ovinos e caprinos.

Leia também: Manqueira: de inofensivo, só o nome

Como identificar a infestação de guanxuma na pastagem?

Com altura entre 0,3 e 0,7 metros, a guanxuma produz flores amarelas, normalmente, com cinco pétalas, o que facilita sua identificação na pastagem.

Além disso, a avaliação periódica dos animais também é outro fator que pode auxiliar o produtor, uma vez que a intoxicação resulta em sinais clínicos perceptíveis.

Localização

A guanxuma pode ser encontrada em praticamente todo o território brasileiro, principalmente no Centro-Oeste, Sudeste e Sul do país.

Normalmente, a infestação dessa planta daninha ocorre, mais facilmente, em solos úmidos, compactados e sombreados.

Leia também: Botulismo: um problema sério, mas evitável

Como combater a guanxuma?

O monitoramento dos pastos é importante, uma vez que a rápida identificação da planta daninha pode fazer com que o pecuarista faça o controle da infestação antes que haja a intoxicação do rebanho.

Queimadas e roçadas são métodos que possuem baixa eficiência, devido à rebrota. Por isso, pode haver a necessidade da realização do controle químico.

Apesar dos prejuízos que essa espécie pode causar à pecuária, quando se utiliza o controle químico adequado, a guanxuma é considerada uma planta de fácil controle. Contudo, vale a ressalva de que o produto utilizado deve ser corretamente manejado, para que se tenha o resultado esperado.

O produtor pode fazer o controle químico dessa planta daninha utilizando produtos da Tecnologia XT.

Para a aquisição do produto, basta o produtor entrar em contato com revendas e distribuidoras parceiras da Corteva (fabricante) ou com a central de atendimento: 0800 772 2492.

Acesse o site e encontre o distribuidor mais próximo de você.

 

Clique e leia a matéria completa

Tags

Compartilhe nas suas Redes Sociais:

Cadastre-se e tenha acesso a conteúdos exclusivos e personalizados

Cadastro

2 respostas para “Você já ouviu falar na guanxuma?”

  1. Avatar Claudio - Tocantins (TO) disse:

    Ótima matéria. Eu não sabia do seu grau de intoxicação. Embora eu conheça a planta, faltou uma foto para a identificação.

    1. Pasto Extraordinário Pasto Extraordinário disse:

      Ficamos felizes de saber que te ajudamos, Claudio. Vamos levar sua sugestão da foto para os próximos textos 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*