Assa-peixe branco, a planta que pode tirar o fôlego do pecuarista

A espécie é muito visitada por abelhas, mas não é bem-vinda pelos pecuaristas.

assa peixe branco

Continuando a série de textos sobre plantas daninhas, falaremos sobre a Vernonia polyanthes, planta conhecida popularmente como assa-peixe branco. Ela possui esse nome, porque as nervuras da sua folha se assemelham às espinhas de um peixe. Outras nomenclaturas comuns são: assa-peixe branco, cafera, estanca-sangue, chamarrita, tramanhém, mata-pasto, mata-campo, erva-preá, cambará-guassú e cambará-do-branco.

(Cuidado! A frase a seguir contém ironia).

O pecuarista pode até perder o ar quando se der conta de que sua pastagem está invadida por essa planta daninha, porém, a boa notícia é que ele pode usar a assa-peixe como remédio, já que suas propriedades auxiliam no tratamento de problemas respiratórios.

Prejuízos nas pastagens

Além de todas as características prejudiciais causadas por plantas daninhas em pastagens, como a competição por nutrientes e fatores de crescimento, a assa-peixe possui uma singularidade que causa temor a muitos produtores: ela tem elevada facilidade de propagação, pois seu mel é um atrativo para as abelhas e outros insetos, que fazem a polinização ao transportar o pólen das flores.  Além disso, a assa-peixe branco produz grande quantidade de sementes, que, por sua vez, possuem grande habilidade de germinação e rápido desenvolvimento.

Uma curiosidade sobre a assa-peixe branco é que, pela sua qualidade apícola, é possível colher mel das floradas, produto que também é considerado remédio para as doenças das vias respiratórias.

Leia também: Plantas daninhas no pasto: confira as dez principais espécies

Porém, isso é uma vantagem somente para apicultores e não para pecuaristas. Pois, possuir um mel agradável para as abelhas significa que a planta consegue multiplicar-se com facilidade e infestar o pasto com rapidez.

Essa espécie de planta daninha se desenvolve principalmente em áreas abertas, como beira de estradas, pastagens com certo grau de degradação e solos pouco férteis.

assa peixe branco
Arbusto de assa-peixe branca

Como identificá-la?

A assa-peixe branco pode ser um arbusto grande ou uma arvoreta: dependendo da sua idade, pode chegar de um a três metros de altura.  Suas folhas são simples e de fácil identificação, pois têm margens serrilhadas, mais ásperas na face ventral e com pelos na parte dorsal.  Sua forma é lanceolada, ou seja, são maiores na base e mais finas na ponta, e possuem cerca de 10 a 25 centímetros de comprimento.

assa peixe branco
Folhas de assa-peixe branco.

A principal característica morfológica que ajuda na identificação da assa-peixe são suas flores, que são pequenas, esbranquiçadas e aglomeradas em grupos de 10 a 15 unidades, em formato de funil e com um aroma característico.

Regiões de ocorrência

Por ter sua origem na região Norte e Nordeste do Brasil, a assa-peixe é uma planta difundida na região amazônica, principalmente nos estados do Amazonas, Pará, Acre e Rondônia. No entando, pode ocorrer em quase todo o território brasileiro, encontrando no cerrado um ambiente ideal para proliferação, visto que ela se desenvolve bem em áreas com solos considerados pobres. Por isso, ela também é comum nos cerrados dos estados de São Paulo, Mato Grosso, Minas Gerais e Goiás.

assa peixe branco
Arvoreta de assa-peixe branco

Como combatê-la

Como a assa-peixe branco é de fácil propagação, normalmente, é encontrada em grandes quantidades nas pastagens. Dessa forma, a roçada não é o método ideal, pois, além de ser ineficiente, tem elevado custo operacional.  Assim, para o produtor que quer se livrar da assa-peixe branco no pasto, o controle químico é o mais indicado.

Lembrando que, como a planta é arbustiva e possui flores, é de difícil controle, por isso, o herbicida de escolha deve ser eficaz contra plantas daninhas tolerantes.

Para você produtor, que já testou diversos herbicidas e não conseguiu combater a assa-peixe, a nova tecnologia da Corteva Agriscience, a Tecnologia XT, é uma solução.

A nova família de herbicidas desenvolvida pela Corteva para eliminar as plantas daninhas de difícil controle dispensa misturas, o que reflete na redução da quantidade de embalagens e de probabilidade de erro na dose.

Além disso, sua aplicação é versátil, podendo ser foliar em área total, com avião, trator ou costal.

Essa gama de possibilidades simplifica e permite menos mão de obra envolvida no manejo.

E se você está enfrentando dificuldades para controlar a assa-peixe nos seus pastos, para adquirir os produtos com a Tecnologia XT, é só ir até as revendas e distribuidoras parceiras da Corteva ou entrar em contato com a central de atendimento pelo telefone 0800 772 2492.

Se tiver mais dúvidas sobre a assa-peixe branco e os métodos usados para seu controle, deixe um comentário aqui embaixo com o seu contato.

Autora: Marina Zaia – médica-veterinária

Clique e leia a matéria completa

Tags

Compartilhe nas suas Redes Sociais:

Cadastre-se e tenha acesso a conteúdos exclusivos e personalizados

Cadastro

4 respostas para “Assa-peixe branco, a planta que pode tirar o fôlego do pecuarista”

  1. Avatar Nilza - Espírito Santo (ES) disse:

    Olá, Boa tarde, estou enfrentando problema com essa erva daninha nas pastagens aqui, gostaria de saber qual herbicida usar.

    1. Pasto Extraordinário Pasto Extraordinário disse:

      Oi, Nilza! Tudo bem? 🙂 Um de nossos representantes técnicos pode te orientar sobre a melhor solução para o seu pasto. Nos envie seu telefone com DDD e sua cidade para que ele possa entrar em contato com você. 😉

  2. Avatar Maia - Paraná (PR) disse:

    Show!

    1. Pasto Extraordinário Pasto Extraordinário disse:

      Que legal que curtiu a matéria, Maia! 😀

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*