Manejo no período de desmama de bezerros

O momento de separação da cria e da mãe requer atenção em diversos pontos e cuidados para que seja feito com o menor impacto possível, evitando o estresse desnecessário nos animais, o que pode prejudicar a produção.

A desmama é definida como a separação definitiva entre o bezerro e sua mãe, visando o término da amamentação e, assim, estimulando o desenvolvimento ruminal dos bezerros e eliminando o estresse da lactação das matrizes.

O manejo nessa etapa da vida do animal é um dos pontos mais importantes, já que se gera estresse emocional e físico na mãe e sua cria, que podem levar à diminuição no consumo de alimentos e consequente perda de desempenho e prejuízos no desenvolvimento dos animais.

No Brasil Central, a desmama é realizada comumente entre abril e julho, quando os bezerros têm entre 6 e 8 meses de idade e condição de utilizar forragens e suplementação como fontes exclusivas de energia e proteínas.

Na desmama tradicional, os bezerros são separados das mães e ficam isolados em um curral por dois a três dias, com acesso à água, ração e capim fresco.

Uma alternativa ao curral são os piquetes desmama, nos quais os bezerros permanecem junto com animais adultos que não sejam as mães, chamados de “madrinhas”, com cerca reforçada (oito fios de arame liso, sendo seis comuns e dois eletrificados).

Nesses piquetes é recomendado o uso de pastagem de alto valor nutritivo e alta resistência ao pisoteio, além de sombra e água de boa qualidade.

Após a separação, os bezerros serão levados para pastagens de boa qualidade, de médio-alto porte, com boa aceitabilidade e alta densidade, e mantidos distantes das mães. A pastagem disponível deve ter maior proporção de folhas em relação aos colmos, e suplementos podem ser utilizados para aumentar os ganhos de peso e a eficiência alimentar.

Os lotes de desmama não deverão ter mais de 200 bezerros por piquete, evitando-se competição, o que prejudicaria os menores e mais fracos, e poderão ser mistos, machos e fêmeas juntos, no caso de raças zebuínas, permanecendo assim até cerca de 12 meses. Já no caso de raças europeias (notadamente as britânicas), ou de produtos de cruzamentos, em função de uma maior precocidade sexual não é recomendado juntar machos e fêmeas no mesmo local.

Os animais devem ser verificados com frequência e os indivíduos doentes, isolados, visando prevenir a disseminação de enfermidades. Deve-se também evitar ao máximo distúrbios, transporte e comercialização dos animais recém-desmamados, mantendo o estresse em baixo nível.

Alimentação no período de desmame de bezerros

No Brasil Central, a melhor época de desmame coincide com o início do período seco, quando diminui a qualidade e a quantidade de pasto. Por isso, é indicado o fornecimento de suplementação de acordo com a demanda nutricional, que deverá ser mantida até cerca de dois meses após a desmama, o que poderá evitar os efeitos do estresse decorrente desse período.

O creep feeding também pode ser utilizado no período da desmama, pois diminui o estresse e aumenta os ganhos dos animais. O período ideal compreende dos 120 aos 210 dias de idade. Logo após a desmama, os animais devem continuar em um sistema de criação intensivo, ou seja, ir para um confinamento ou semiconfinamento, para engordar e ser abatido jovem.

LEIA TAMBÉM: Chegada da seca e aumento da oferta de gado

Outras formas de manejo na desmama

Como o próprio nome indica, a desmama lado a lado é feita mantendo vacas e bezerros próximos, mas separados apenas por uma cerca apropriada, que evite que o bezerro se alimente do leite da mãe, por cerca de sete dias. Os bezerros permanecem visualizando suas mães e vice-versa, o que reduz o estresse da separação. É recomendado o acesso a bebedouros compartilhados entre vacas e bezerros ou bebedouros próximos, o que faz com que as mães permaneçam no campo de visão das crias enquanto estas se hidratam.

Na adoção da desmama temporária ou interrompida, é utilizada para melhorar a fertilidade das vacas, a partir da separação entre matriz e cria de 48 a 72 horas, após o 400º dia pós-nascimento. É uma prática fácil e de custo baixo, que pode ser considerada pelos produtores. Essa opção pode elevar a taxa de concepção das fêmeas em até 30%, mas matrizes com baixo estado corporal não terão boas respostas ao método.

Já a desmama precoce, quando os bezerros com peso superior a 90 kg são separados com cerca de 90 a 120 dias, é utilizada visando uma recuperação corporal mais rápida das mães, fazendo com que manifestem cio, além de ser uma boa opção para anos em que a estação seca se prolonga, quando há escassez de alimentos.

Ressalta-se que, nesse tipo de desmama, os bezerros devem estar adaptados ao creep feeding ou é importante que haja pastos diferenciados para os animais desmamados precocemente, com suplementação com ração concentrada até os seis meses de idade.

Por fim, variáveis como peso vivo ao desmame e o início do inverno devem ser consideradas na escolha do manejo, assim como a sazonalidade regional climática e a disponibilidade de alimentos e forrageiras de boa qualidade.

LEIA TAMBÉM: Produtividade na fazenda: suplementação do gado no período de transição seca/águas

Referência
Desmama em bovinos de corte: https://old.cnpgc.embrapa.br/publicacoes/divulga/GCD16.html

Clique e leia a matéria completa

Tags

Compartilhe nas suas Redes Sociais:

Cadastre-se e tenha acesso a conteúdos exclusivos e personalizados

Cadastro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*